A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z

 

ACADEMIA PORTOCALVENSE DE HISTÓRIA, LETRAS E ARTES - APHLA  

Sociedade civil sem fins lucrativos, fundada em 26 de abril de 2012, na sede da 10ª Coordenadoria Regional de Ensino (10ª CRE), com sede e foro na cidade de Porto Calvo. Fundadores: Jefferson Murilo Palmeira Chaves, Carlos Henrique Palmeira Chaves, Amaro Patrúcio O. Ferreira, Jailda Caetano O. Ferreira, Adelmo Nascimento Monteiro, José Ailton Tavares de Oliveira, Cláudia da Cunha Silva, Severino dos Ramos Barbosa, Syllas Almeida da Silva, Jossana Silva Cabral, Genilton José da Silva, Genielle Quitéria da Silva. Seccionais:República Oriental do Uruguai, Reino Unido, França, Portugal, Espanha, Itália, Alemanha, Polônia, Holanda e Suécia. Patronos: Cadeira nº 1 - Cipriano Jucá; 2 - Heráclito Fontoura Sobral Pinto; 3 - Manuel Diégues Júnior; 4 - Ivanilda de Gusmão Verçosa; 5 - Antônio Guedes de Miranda; 6 - Arriete Vilela Costa; 7 - Edna de Lima Falcão; 8 - Dandara; 9 - Dirceu Lindoso; 10 - Zumbi dos Palmares; 11 - Craveiro Costa; 12 - Jean-Paul Sartre; 13 - Tomas de Aquino; 14 - Pontes de Miranda; 15 - Herta Muller; 16 - Joaquin Carmo de Oliveira -Carminho-; 17 - Domingos Fernandes Calabar; 18 - Aurélio Buarque de Holanda Ferreira; 19 - Graciliano Ramos; 20 - Pedro Teixeira; 21 - Arthur Ramos; 22 - Cecília Meireles; 23 - Augusta Maria da Conceição; 24 - Ruth Vilaça Correia Leite Cardoso; 25 - Clara Felipa Camarão; 26 - Machado de Assis; 27 - Germina de Gusmão; 28 - Maria Stela Lins Barbosa; 29 - Nise da Silveira; 30 - Luiz Sávio de Almeida; 31 - Cícero Péricles de Oliveira Carvalho; 32 - Marinete Gomes da Silva e 33 - Bertina Cirau de Lima. Membros efetivos: Cadeira nº 1 - Claudio Antônio Jucá Santos; 2 - Sebastião José Palmeira; 3 - Élcio Gusmão Verçosa; 4 - Ivanilda Soares de Gusmão Veçosa; 5 - Jefferson Murilo Palmeira Chaves; 6 - Anne Franciealy da Costa Araújo; 7 - Lana Lisiêr de Lima Palmeira; 8 - Maria Lucilene da Silva; 9 - Edson José de Gouveia Bezerra; 10 - Zezito de Araújo Raul Vital; 11 - José Roberto Santos Lima; 12 - José Reinaldo Paes; 13 - Tomás de Aquino; 14 - Carlos Henrique Palmeira Chaves; 15 - Cláudia da Cunha Silva; 16 - Amaro Patrúcio Oliveira Ferreira; 17 - Adelmo Nascimento Monteiro; 18 - Genilton José da Silva; 19 - Severino dos Ramos Barbosa; 20 - José Ailton Tavares de Oliveira; 21 - Valdomiro Rodrigues; 22 - Jossana Silva Cabral; 23 - Genielle Quitéria da Silva; 24 - Maria Heloiza Cunha de Almeida; 25 - Nelmares Cunha de Almeida; 26 - Pe. Roniel Ferreira da Silva; 27 - Sônia Maria da Silva Santos; 28 - Jorge Barboza; 29 - Jailda Caetano O. Ferreira; 30 - Ana Claudia Laurindo; 31 - Odilon Rios; 32 - Maria Bernadete Gomes da Silva e 33 - Cícera Jarlene de Lima Silva Souza. Presidentes: Jefferson Palmeira e Carlos Henrique Palmeira; Vice-Presidentes: Amaro Patrúcio Oliveira Ferreira e Cláudia da Cunha Silva /Adelmo Nascimento Monteiro; Secretários - Jossana Silva Cabral e Nelmares Cunha de Almeida. 2º Secretário: Jorge Barboza. Tesoureiro - Genilton José da Silva e Adelmo Nascimento Monteiro. Oradores:- Ana Cláudia Laurindo e Dr. Odilon Rios. Diretor Cultural: Amaro Patrúcio Oliveira Ferreira e Cícera Jarlene de Lima Silva Souza. 2º Orador: Adelmo Nascimento Monteiro, Jefferson Palmeira e Carlos Henrique Palmeira. Diretor de Patrimônio:- Genielle Quitéria da Silva. Diretor Social: Severino dos Ramos Barbosa. Diretores de Comunicação: Odilon Rios eJorge Barboza. Procurador: Carlos Henrique Palmeira Chaves.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

ACADEMIA SANTANENSE DE LETRAS, CIÊNCIAS E ARTES  

Fundada no dia 19 de ?. Acadêmicos Efetivos: Luiz Antônio de Farias; Silvano Gabriel Pereira de Barros dos Santos; Antônio Azevedo Filho; José Peixoto Noya; Pe. José Neto de França; Manoel Augusto de Azevedo Santos; Fábio Soares Campos; José de Melo Carvalho; Marcello André Fauso Souza; João Neto Felix Mendes; Maria Lúcia Nobre dos Santos; Remi Bastos; Maria Aparecida Silva dos Santos; João Francisco das Chagas Neto; Djalma de Melo Carvalho; José Malta Fontes Neto e José Coelho Neto. Diretoria empossada: presidente: José Malta Fontes Neto; vice-presidente: Marcelo Fausto Souza; 1º secretário: Fábio Soares Campos; 2º secretário: José Coelho Neto; 1º tesoureiro: Luiz Antônio de Farias; 2º tesoureiro: João Francisco das Chagas Farias e bibliotecário: Silvano Gabriel Pereira de Barros dos Santos.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

ACAIÊME  

Revista literária, editada em Maceió: por Cléa Marsiglia e Francisco Valois, tendo saído só um número, em março de 1953. Colaboraram: Valdemar Cavalcanti e Ledo Ivo. Fez transcrição de uma lenda de Alfredo Brandão.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

ACANDA, Jorge Luis  

( ?? ). Escritor. Obra: Capítulo de livro: Significación de Marx para La Teoria Social: Los Conceptos de Crítica, Forma y Fetichismo, in Políticas Públicas e Estado Capitalista: Diferentes Olhares e Discursos Circulantes, juntamente com Eliane Maria Nogueira Diógenes e Ana Maria Florencio (orgs.), Maceió: EDUFAL, 2013, p. 11-32.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

ACCIOLY JÚNIOR, João Baptista  

(Maragogi- AL 19/08/1877 - Maragogi- AL 09/11/1928). Deputado federal, senador federal, governador, engenheiro, agropecuarista. Filho de João Baptista Acióli e Antonia Vieira Accióli. Fez o primário no interior de PE, o secundário em Recife e o curso de Engenharia Civil, na Escola Politécnica do Rio de Janeiro (1900). Formado, retornou a AL, onde se dedicou à agricultura, em especial à cana-de-açúcar e à indústria açucareira, dirigindo o engenho Maçangano, de sua família. Deputado federal na legislatura 1912-14. Eleito pelo Partido Democrático, assumiu o governo em 12/06/1915, cargo no qual permaneceu até 12/06/1918. Seu primeiro ano de governo foi prejudicado pela tentativa de intervenção federal incitada pelos conservadores, que afirmavam ser Antônio Guedes Nogueira o candidato eleito. Em seu governo foi, em 1917, festejado o Centenário de Alagoas. Cuidou da recuperação das finanças estaduais com severa redução de despesas, além de manter o respeito às decisões da Justiça, inclusive na integração de inúmeros funcionários públicos demitidos na gestão anterior. Participou da luta política contra os Malta. Após 1918 regressou à atividade agrícola, dedicando-se também à pecuária e à cultura do coco. Em 1927, elegeu-se senador federal, para o mandato que se extinguiu em 1930. Obras: Pobre Alagoas! Ao Paiz -Documentação Comentada, Rio de Janeiro:1922; Política de Alagoas. Resposta ao Senador Fernandes Lima, reunindo discurso na Câmara de Deputados, além de cinco editoriais publicados em junho de 1927 no Jornal de Alagoas;Um editorial, em julho de 1927, no Diário Oficial e um discurso pronunciado por Álvaro Paes, em 04/07/1927, na Câmara dos Deputados , com apartes de Deoclécio Duarte, Viriato Correa e Marrey Júnior, Maceió: 1927; Mensagem Apresentada ao Congresso Legislativo do Estado de Alagoas no Dia 15 de Abril de 1916, Pelo Governador do Estado Dr. João Batista Accioly Júnior, Maceió: Tip. Casa Ramalho, 1916; Mensagem Dirigida ao Congresso Legislativo do Estado de Alagoas, no Dia 15 de Abril de 1917, Pelo Governador do Estado, Dr. João Batista Accioly Júnior, Maceió: Imprensa Oficial, 1917.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

ACCIOLY, Artur... Lopes Ferreira  

( Maceió - AL 16/07/1895 - Maceió- AL 05/10/1954). Secretário de Estado, deputado estadual, jornalista, advogado. Filho de Manuel Lopes Ferreira e Edméa Acióli Lopes Ferreira. Iniciou seus estudos em escola pública primária, tendo a seguir frequentado os colégios dirigidos pelos professores Joaquim Goulart de Andrade e Alfredo Wucherer, passando depois para o educandário do professor Domingos Feitosa e, finalmente, concluiu o curso secundário no Liceu Alagoano. -Por convite de Sinfrônio de Magalhães, seguiu com este para a Europa, estando na Bélgica, juntamente com o citado escritor e, ainda, Carlile Silveira e Ismael Acioli, quando as tropas alemãs ocuparam aquele país, durante a Guerra 1914-18. Voltando a Alagoas, passa a trabalhar com Leonino Correia, então Intendente de Maceió.- Matricula-se na Faculdade de Direito de Recife, onde se bacharelou em dezembro de 1922. Volta a residir em Alagoas, nomeado Coletor Federal de Utinga. Foi deputado estadual nas legislaturas 1919-20; 21-22; 23-24; 25-26, 27-28 e 29-30, tendo renunciado em 1929. Foi, ainda, Secretário de Fazenda, no governo Álvaro Paes. Após a revolução de 1930, passou a se dedicar às atividades de advogado. Eleito deputado estadual constituinte para a legislatura 1935-38. Um dos fundadores da AAL, foi o primeiro ocupante da cadeira 30; e membro do IHGAL. Pertenceu, ainda, à Academia de Belas Artes do Ministério da Educação da França. Membro da Comissão Diretora do PEDA. Colaborou no Jornal de Alagoas, inclusive nos setores literário e humorístico, com o pseudônimo de Astêmio. Desse jornal foi diretor, bem como do Banco de Alagoas. Obras: o capítulo Histórico do 10 Anos de Atividades da Academia Alagoana de Letras, no Livro da Academia Alagoana de Letras; Dez Anos, Revista da AAL, n. 14, p. 321-325 ( Documento - reproduz o trabalho anteriormente citado) - Lide Temerária: Razão dos Apelados, Contestação dos Réus. Herdeiros do Cel. Carlos Lira, Usina Serra Grande S/A e Carlos Lira Cia. Ltda. na Acão Contra Eles Movida por Mário e Morse Sarmento Pereira de Lira. Pelos Advogados Artur Acióli Lopes Ferreira e A. V. de Andrade Bezerra. Comarca de S. José da Lage, Alagoas, Recife, 1940; Lide Temerária: Apelação Civil no. 1414. Razões dos Apelados - Herdeiros do Cel. Carlos Lira, Usina Serra Grande S. A. e Carlos Lira Cia Ltda. Pelos Advogados Artur Acioli Lopes e A. V. de Andrade Bezerra, Recife, 1940. Revista do IHGAL v.18, ano 1935, Jayme de Altavila: Discurso de Recepção do Sócio Efetivo Dr. Arthur Acioly.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

ACCIOLY, Breno Rocha  

(Santana do Ipanema- AL 22/03/1921 - Rio de Janeiro - RJ 13/03/1966). Escritor, jornalista, médico. Filho de Manuel Xavier Accioly e de Maria de Lourdes Rocha Accioly. Aos nove anos foi morar em Maceió onde terminou os preparatórios no Colégio Diocesano. No Recife, em 1938, fez o curso pré-médico no Ginásio Pernambucano. Matriculou-se na Escola de Medicina do Recife (PE), mas sua inclinação era para a literatura. Participou do Congresso de Poesias, realizado 1941. Colaborou no jornal da arquidiocese alagoana, O Semeador, a partir de 1937. Posteriormente no Diário de Pernambuco, no Jornal do Comércio e noDiário da Manhã, quando de sua vida acadêmica no Recife. Em dezembro de 1942 mudou-se para o Rio de Janeiro, onde concluiu o curso na Faculdade de Ciências Médicas (1946), especializando-se em hanseníase. Foi médico da Prefeitura da então capital federal. Colaborou nos Diários Associados, na Revista do Brasile em Autores e Livros, com destaque para O Jornal de Alagoas da década de 1950, em seu suplemento dirigido pelo jornalista Arnoldo Jambo. Participou do grupo da Revista Branca. Escreveu crônicas para rádios e jornais. Permaneceu, algum tempo, internado em uma clínica psiquiátrica. Patrono da cadeira nº 19 da ACALA. Obras: João Urso, Rio de Janeiro: Edições EPASA, 1944, com o qual recebeu o prêmio Coelho Neto, da ABL, bem como o prêmio de contos Afonso Arinos ????,da Fundação Graça Aranha) prefácio de José Lins do Rego; Cogumelos, Rio de Janeiro:Edição A Noite, 1949, prefácio de Gilberto Freyre (contos).; Contos ????, Rio de Janeiro:Ed. O Cruzeiro, 1953; Maria Pudim, Rio de Janeiro:Livraria José Olympio Editora, 1955, capa de Poty (contos) Dunas, Rio de Janeiro:Ed. O Cruzeiro, 1955 (romance) Os Cata-Ventos, Rio de Janeiro:Livraria José Olympio Editora, 1962 (contos). Deixou inédito: Siracusa, Pedras e Izabela, três romances. Foram publicados:Os Melhores Contos de Breno Accioly, seleção de Ricardo Ramos, São Paulo: Global Editora, 1984 e Onze Contos Inéditos, Maceió: Edicultec, 1989, organização de Rommel Acioly, ilustrações de Darel e Bruno Giorgi; Breno Accioly: Obras Reunidas, São Paulo: Escrituras, 1999.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

ACCIOLY, Danúbio Barreto  

(Maceió - AL 09/04/1927 - 2001). Secretário de Estado. Filho de Dioclécio Xavier Accioly . Cursou Contabilidade na Escola Técnica de Comércio em Alagoas. Diplomado Contador em 14/12/1946, e registro no CRCAL, em 25/06/1948, nº 163/O. Toma posse em 10/02/1963, na Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda e Produção, no governo Luiz Cavalcante.Patrono da cadeira nº 05 da Academia Brasileira de Ciências Contábeis - ABRACION.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

ACCIOLY, Luciano ... Lemos Moreira  

(Palmares - PE 18/01/1972). Escritor, pintor, professor. Filho de Luiz de Barros Moreira e Maria das Graças Accioly Lemos Moreira. Vive em Alagoas, desde 1983. Licenciatura em História, UFAL (2000). Especialização em Formação de Professor para Educação Básica, UFAL (2001). Mestrado em Educação, UFAL (2005) com a dissertação: A Empregabilidade nos Parâmetros Curriculares Nacionais: Implicações e Limites Para a Formação. Doutorado em Letras e Linguística, UFAL (2010) com a tese: A (In)Sustentabilidade do Discurso do Desenvolvimento Sustentável. Professor na FUNESA (2000-2002). Professor no Programa Especial de Formação de Professores para Educação Infantil (2003-2004). Professor na FRM (2003-2005). Professor na FATEC (2007). Professor na UNEAL (2008-2009). Professor na UFAL, desde 2009. Sob o patrocínio da Escola de Extensão/PROEX/UFAL, estudou Pintura com Luiz Coelho Neto e Desenho e Pintura com Pierre Chalita. Participou de exposições, entre as quais o IV Salão TRT 19a Região de Pintores Alagoanos (1999). Obra: As Malhas de Discursos (Re)Veladores, juntamente com Maria do Socorro Aguiar de Oliveira Cavalcante (orgs.), Maceió: EDUFAL, 2005. Artigos em periódicos: Educação e a Questão do (Sub)Desenvolvimento Brasileiro, in A Cidade (Portugal), Unicamp, 2004, v. 7, n. 1, p. 61-72; A Empregabilidade nos Parâmetros Curriculares Nacionais: Implicações e Limites A Formação Humana, in ETD. Educação Temática Digital, 2007, v. 9, p. 124-135; A (In)Sustentabilidade do Discurso da Educação Para o Desenvolvimento Sustentável do Banco Mundial, in ETD. Educação Temática Digital, 2008, v. 9, p. 20-30; Os Parâmetros Curriculares Nacionais e a Educação Brasileira Sob a Supremacia do Mercado, in ETD : Educação Temática Digital, 2008, v. 9, p. 31-51; A Pesquisa em Educação no Brasil: Uma Crítica á Fragmentação do Conhecimento, in ETD : Educação Temática Digital, 2009, v. 11, p. 1-17; A (In)Sustentabilidade do Discurso do Desenvolvimento Sustentável no Banco Mundial, in Leitura (UFAL), 2009, v. 19, p. 165-186; Estágio e Pesquisa: Uma Crítica Ontológica ao Pragmatismo na Formação Docente, in Revista Arma da Critica, 2009, v. 1, p. 111-121; A Formação Humana à Luz da Teoria de Leontiev, in Revista Eletrônica Arma da Crítica, 2010, v. 2, p. 178-188; A Organização Escolar Democrática nos Marcos do Capitalismo, in Revista Eletrônica Arma da Crítica, 2010, v. Ano 2, p. 118-127; A Educação Sob o Domínio do Capital, in Revista Eletrônica Arma da Crítica, 2011, v. Ano 3, p. 07-29; Análise do Discurso no Brasil: Reflexões Acerca de Sua Construção Teórico-Metodológica, in Revista da ANPOLL (Online), 2011, v. 01, p. 147-166; Sustentabilidade e Educação: O Rebaixamento da Educação à Submissão dos Imperativos do Capital, in Revista Labor, 2011, v. 01, p. 01-24.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

ACCIOLY, Manoel Maria de Moraes  

( ? ). Deputado provincial, padre, bacharel. Deputado provincial no período 1858-59, eleito pelo segundo círculo.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

1 . 2 . 3 . 4 . 5 . 6 . 7 . 8 . 9