A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z

 

AGUIAR, Dom Otávio Barbosa  

(Orobó- PE 22/04/1913 - Maceió - AL 09/12/2004). Bispo. Filho de Antônio Bertino Aguiar e Zita Barbosa Aguar. Iniciou seus estudos em sua cidade natal, tendo feito o segundo grau no Seminário de Olinda. Curso de Filosofia no Seminário de Nazaré, regressando ao Seminário de Olinda para cursar Teologia. Realizou, ainda, um curso de extensão sobre problemas rurais, na Universidade Rural do Recife. Ordenou-se sacerdote em 28/4/1935, em Nazaré da Mata, passando o ocupar o cargo de secretário do Bispado de Nazaré. Entre 1937 e 1941 foi professor secundário. Neste último ano foi nomeado pároco da cidade de Limoeiro (PE), onde permaneceu até 1955. A 30/01/1955 é sagrado bispo, sendo nomeado bispo auxiliar de São Luís do Maranhão. No ano seguinte foi nomeado bispo diocesano de Campina Grande (Paraíba), onde permaneceu por seis anos. Criada a Diocese de Palmeira dos Índios é nomeado, em 18/02/1962, seu primeiro bispo. De 1962 a 1978 estruturou a nova diocese, fundando o seminário, construindo igrejas, criando obras sociais. Depois de resignar ao bispado, passou a residir em Maceió: tendo sido escolhido, em fevereiro de 1985, pelo Conselho de Consultores, para o cargo de Administrador Arquidiocesano da Capital, que perdera o seu Arcebispo e esperava o novo dirigente. Posteriormente, manteve-se no cargo de bispo emérito. Atualizou, em Maceió: o Arquivo da Diocese, bem como organizou a Biblioteca do Arcebispado, entre outras atividades. Membro do IHGAL, empossado em 2l/06/1972, na cadeira em que é patrono Sílvio Caroatá foi transferido para sócio honorário em 28/11/2001. Obras: Alagoas, Uma Experiência de Vida, 1979; Discurso de Posse de Dom Otávio de Aguiar, Bispo da Diocese de Palmeira dos Índios (Alagoas), na Sessão Solene de 21 de Junho de 1972, como Sócio Efetivo, Revista do IHGAL, v.30, ano de 1973, Maceió: 1973, p. 189-198; Diocese de Alagoas: Alguns Subsídios Históricos, Revista do IHGAL, v. 39, 1984, Maceió: 1985, p. 107-122. Colaborou na imprensa, em especial em O Semeador.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

AGUIAR, José Alves de  

( ? ). Deputado provincial, na legislatura 1866-67, eleito pelo 1º Distrito.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

AGUIAR, José da Costa  

( AL ? ). Poeta, advogado. Formado pela Faculdade de Direito do Recife (1928). Um dos membros da Academia dos Dez Unidos. Teria publicado: Princesa Vasthi.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

AGUIAR, Moisés  

( Distrito Federal- RJ 19/07/1949). Economista. Filho de Adolfo Aguiar e Cacilda Medeiros de Aguiar. Ginasial no Colégio Batista Alagoano e Científico no Colégio Estadual Moreira e Silva, ambos em Maceió. Graduado em Economia pela UFAL (1968) e em Administração de Empresas pelo CESMAC (1984). Diversos cursos de aperfeiçoamento em áreas de sua especialização, tais como: Introdução ao Mercado de Capitais, do IBMEC (1976) ou Programação da Produção Industrial do Instituto de Organização Racional do Trabalho - IDORT, São Paulo (1972). Chefe de Gabinete e Secretário Substituto da Secretaria de Planejamento (1988). Assessor da Presidência da Companhia Hidroelétrica do São Francisco - CHESF (1995-96 e 1998-2000), bem como Adjunto da Presidência da mesma empresa (1997-98). Coordenador do Projeto Xingó-CHESF (1988-99). Publicou: Zinga Bar- Criou a Noite in Arte Popular de Alagoas, de Tânia Pedrosa, p. 181.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

AGUIAR, Ronaldo Conde  

(Penedo - AL 28/12/1942). Escritor, professor. Filho de Manoel de Aguiar Melo Filho e Dalva Conde Aguiar. Primário, ginásio e clássico no Rio de Janeiro, no Colégio Santo Antônio Maria Zaccaria e na Escola Municipal Souza Aguiar. Mestre e Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília. Professorde sociologia e pesquisador do Centro de Desenvolvimento Sustentável da UNB, nos centros universitários UniCEUB e Unieuro e no Instituto de Ensino Superior de Brasília (IESB). Secretário de Ciência e Tecnologia do Distrito Federal, no governo Cristóvam Buarque. Vice-presidente do Fórum Nacional de Secretários de Estado de Ciência e Tecnologia. Trabalhou durante 22 anos no CNPq. Consultor do PNUD. Orientador e membro de bancas de dissertações e teses de doutorado. Obras: Abrindo o Pacote Tecnológico - Estado e Pesquisa Agropecuária no Brasil, Brasília: Polis, 1986; Pequena Bibliografia Crítica do Pensamento Social Brasileiro, Brasília: Paralelo 15, 2000; O Rebelde Esquecido: Tempo, Vida e Obra de Manoel Bomfim, Rio de Janeiro:Topbooks, 2000 (Prêmio de Melhor Tese de Doutorado no I Concurso Brasileiro CNPq-ANPOCS de Obras Científicas e Teses Universitárias em Ciências Sociais. Edição 1999) Vitória na Derrota: A Morte de Getúlio Vargas, Rio de Janeiro: Casa da Palavra Produção Editorial, 2004, capa de Júlio Silveira; Adeus ao Paraíso: A Internacionalização da Amazônia (Brasília: Paralelo 15, 2002). Participou como ensaísta de quatro outros livros (coletâneas): Crise Social e Meio Ambiente, in Bursztyn, Marcel, org. Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasiliense, 1993; O Dilema da Esfinge e as Dúvidas do Moderno Édipo, in Freitag, Bárbara & Pinheiro, Maria Francisca, org. Marx Morreu, Viva Marx! Campinas, Papirus, 1993; Esplendor e Miséria dos Programas Institucionais do CNPq, in Fernandes, Ana Maria & Sobral, Fernanda, org. Colapso da Ciência e Tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro:Relume Dumará, 1994. Autor de prefácios. Publicou ensaios em revistas e periódicos do Brasil, entre os quais: Modernização e Miséria (Brasília: Revista Brasileira de Tecnologia, v. 14, n° 4, julho/agosto de 1983) O Brasil Faminto (Brasília: mimeo, 1991, 58 p.), trabalho elaborado com vistas a subsidiar o Relatório Nacional Brasileiro para a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento - ECO 92; Um Estelionato Intelectual (Brasília: Momento Político, 24 a 30 de junho de 1993) Amarelinha em Campo Minado (Brasília: Momento Político, 16 a 22 de setembro de 1993) Chore Por Nós, Argentina (Brasília: Momento Político, 23 a 29 de setembro de 1993) Virtude Demais é Pecado (Brasília: Momento Político, 30/09 a 06/10 1993) Pobre México (Brasília: Momento Político, 30/11a 06/121993) As ONG-s Postas em Questão (Brasília: Momento Político, 8 a 14/02/1994) O Brasil Nação: Um Livro Admirável (São Paulo: O Estado de S. Paulo, Caderno Cultura, p. 14 e 15, 06/08/1996) Manoel Bomfim, Nosso Intérprete Ignorado (Brasília: UnB Revista, Universidade de Brasília, ano 1, n° 1 - jan./fev./mar. 2001) Freyre e o Orgulho da Nacionalidade (Brasília: UnB Revista, Universidade de Brasília, ano 1, nº 2 - abr./mai./jun. 2001) Visões e Imagens Contemporâneas (Brasília: Correio do Livro da UnB - Universidade de Brasília - ano 1, n° 2, 03/04/2001) As Grandes Palavras e a Podridão Ética (Brasília: Revista Ethos - Sociedade de Estudos e Pesquisas Éticas de Brasília. Ano II, n° 3 - jan./junho 2001) O Risco do Apagão Científico (Brasília: UnB Revista, Universidade de Brasília - ano 1, n° 3, jul./ago./set./2001), em colaboração com Hildebrando Souza Menezes Filho; O Futuro da Democracia (Correio do Livro da UnB - Universidade de Brasília - ano 2, nº 4, março/abril 2002) Chanchada Histórica (Brasília: UnB Revista, Universidade de Brasília, ano II, nº 6, 2002) O Mundo da Bola (Brasília: Esquina - Jornal Laboratório do UniCEUB - Centro Universitário CEUB, maio de 2002) Darcy Ribeiro e Anísio Teixeira: a Unidade na Divergência (Brasília: UnB Revista, Universidade de Brasília, ano III, nº 7, 2003). Brasília: da Utopia à Dura Realidade (Sociedade e Estado, Universidade de Brasília, Departamento de Sociologia, v. 18, nº 1 e 2 jan/dez 2003) Às Vésperas da Catástrofe (Brasília: UnB, Revista, Universidade de Brasília, ano VI - nº 11, mai./jun./jul. 2005).


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

AGUIAR, Vicente Alves de  

( ? ). Deputado provincial nas legislaturas 1878-79; 80-81; 84-85.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

AGUILAR, Ddaniela  

(Governador Valadares - MG 23/06/1967). Pintora, professora. Licenciatura em Educação Artística, Habilitação em Artes Plásticas, Escola Guignard, UEMG, Belo Horizonte, MG (1992). Gravura em Metal e Estilismo e Modelagem do Vestuário, Escola de Belas Artes, UFMG (1989). Especialização em Estamparia. Civec, Lisboa, Portugal (1994) Design Têxtil, Escola de Disseny, Universitat Ramon Llull, Barcelona, (1995) Ilustração de livros infantis e juvenis, EINA. Escola de Disseny i Art, Universidade Autônoma de Barcelona (2011) Arte e Ação Social, Escola Massana, Universidade Autônoma de Barcelona, Barcelona (2011). Mestrado em Producciones Artísticas e Investigación, em andamento desde 2011, Bellas Artes, Universidade de Barcelona. Ensinou História do Traje e Figurino para Teatro, projetos com reutilização de materiais pós-consumo, no curso de Formação do Ator, UFAL, (1999/2001). Exposições: 2001: O Universo de Três Mulheres e seu Reflexo na Arte Contemporânea, Art Wear, Pinacoteca da UFAL; 2006: amostra de telas sobre velas de jangadas, em 14/12/2006, no projeto Velas Artes; 2007: Esta Rua é Minha. Instalação e performance: Sonhos Mutantes, Galpão 72, ; 2009: Esta Rua é Minha; Instalação: Sonhos Mutantes - Círculo de Meninas, Guardião de Sonhos e Desejos, Pinacoteca da FAL; 2010: Refrações; Intervenção e performance: Sonhos Mutantes, Praça Sinimbu; Vídeo 15- e cartografia, Pinacoteca da FAL, Maceió/AL. Coletivas: Em 2004: PVC-Design+Social, Armazém Pierre Chalita; 2005: Coordenadora do projeto em arte educação Esta Rua é Minha, Galpão 72; Catálogos: Formigas Mutantes, Maceió: 2003; Escultura: Ambientes, Maceió: nov/2001; PAVIMENTI, Bdesign. Impressões. Tiles, Maceió: p.61; 2007: Esculturas de Ddaniela Aguilar juntamente com James Silver, Alagoas Decorview, Maceió: jun. 2003, p.6. Obras: O Segundo Símbolo, juntamente com Rogério Gomes, Maceió: Editora, 2010; Esta Rua é Minha, Esta Rua é Nossa, juntamente com Rogério Gomes e Vera Gamma, Recife, Edição dos Autores, 2011. Ilustrações de livros infantis: No Reino de Bilinguidone de Cláudia Lins, Maceió: Selo Passarada, 2010; Ventania e o Mapa do Tesouro, texto de Simone Cavalcante, Maceió: Selo Passarada, 2010; Manual do Usuário do Centro Histórico, Maceió: Prefeitura Municipal de Penedo, 2004.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

AGÉLIO Novaes Filho  

(Viçosa - AL 23/11/1958). Artista plástico, desenhista, cenógrafo. Filho de Agélio Vieira Novaes e Margarida Vasconcelos Novaes. Primeiro grauno Colégio Sagrada Família e o 2º grau no Colégio Estadual Prof. Benedito Moraes, ambos em Maceió. Formado em Desenho Industrial pela UNICAP, Liceu de Artes e Ofícios (1985). Curso de Desenho Publicitário pelo SENAI/SP (1994). Aluno do Mestre Lourenço Peixoto em 1968 e 1969, e de Getúlio Motta. Desde 1987 trabalha com colagem, iniciada ao montar cartões de Nata para a Superintendência de Trens Urbanos, onde trabalha como desenhista-projetista. Exposições Individuais: 1987 e 1991: Arte Postal, Recife. 1996: Maceió a Exposição, em Maceió. 1998: Tripicidades, Maceió. 2001 ou 2002???: De Pedaço em Pedaço, Maceió 2006 ou 2007???? Desenho Vetorial, Maceió. 2012: Colagem, A Arte de Agélio Novaes, Maceió. Participou da Exposição Arte de Alagoas realizada, em 1993 na Fundação Casade Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, bem como de Arte Popular Alagoana 2003, realizada na Galeria SESC/Centro, de 19/8 a 5/9/2003. Teve seu trabalho reproduzido no Calendário Maceió É Bom Demais, promovido pela EMTURMA, em 1999. Exposições Coletivas: 1987: Salão dos Novos, Recife. 1988: Salão da Ferrovia, Rio de Janeiro. 1989: Salão de Arte Contemporânea de Pernambuco, Recife. 1990: 1º Mostra de Artes da CBTU, Recife (premiado). 1991: 2ª Mostra de Artes da CBTU, Recife (premiado). 1992: 3ª Mostra de Artes da CBTU, Recife (premiado) Agélio Novaes & Beto Normande, Maceió. 1993: Artistas Alagoanos, Rio de Janeiro. 1996: A Arte dos Sete e Caleidoscópio, Maceió e Alagoas Presente!, Vitória-ES. 1997: Galeria Gerônimo Miranda, Arte Virtual-Infrole Em Tempo de AIDS, Maceió; Casa da Arte, nos municípios de Maceió: Penedo e Aracajú; Artistas de Viçosa, Viçosa-AL. 1998: 1ª Bienal do Livro e das Artes e Jaraguá Artestúdio, Maceió. 1999: Uma Noite de São João, Maceió. 2000: Contraste Local, Vidas Sêcas e Casa Da Palavra, todas em Maceió. 2001: Gato por Lebre, PROCOM e Arte No Shopping, ambas em Maceió. 2003: Artistas Naifs, Maceió. 2004 e 2005: Shopping Iguatemi Maceió: Maceió. 2007: Shopping Casa e Bom Ton, ambas em Maceió. 2008: O Museu Vai à Rua e Arte na Casa, ambas em Maceió. Participou do 1º Salão de Arte Contemporânea de Alagoas, Complexo Cultural Teatro Deodoro, 16 a 30/01/2015. Concursos: 1990: da Lista Telefônica de Pernambuco, Recife (Premiação). 1996: Imagens das Alagoas, Maceió (Premiação). Citações: 1993: Catálogo Artistas Alagoanos, Maceió. 1994: Catálogo Artemaior de Pernambuco, Recife. 1996: site www.fapeal.br/transmidia, Maceió. 2005: ABC das Alagoas, Dicionário Biobibliográfico, Histórico e Geográfico de Alagoas, SenadoFederal, Brasília. Ilustrações: 1999: CD A Lua Não Pertence a Ninguém, de Júnior Almeida e o Livro O Varredor De Cinzas, de Antonio Azevedo, ambos em Maceió. 2007: capa do livro Se Eu Calar Você Me Esqueçe, Se Eu Contar Você Me Abraça?, de Gal Monteiro.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

AIRAN, Tutmés... de Albuquerque Melo  

 ( Arapiraca - AL 18/07/1962 ). Secretário de Estado, desembargador, escritor, professor, advogado. Graduado em Direito, UFAL, 1983. Especializado em Ciências Jurídicas, UFAL. Mestrado em Direito Público, UFPE (1995). Gerenciamento de Crise, Academia da Polícia Militar da Bahia (2002). Coordenador da PGE (1997-1999) e Procurador (1987-2009). Toma posse, em 19/01/2001, na Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania, no governo Ronaldo Lessa. Professor da UFAL, desde 1995. Professor da FAL (2003-05). Professor da FEJAL (2000 e 2003). Conselheiro da CESPAL (2007-09). Professor da FITS (2009). Desembargador do TJ/AL, desde 2009. Obras: A Justiça Criminal e sua Rendição ao Direito Penal do Inimigo: Se na Alemanha é Assim, por que não em Alagoas?, in As Faces da Segurança Pública e dos Direitos Humanos em Alagoas, Maceió: EDUFAL, 2011, Ruth Vasconcelos e Elaine Pimentel (orgs.), p. 49-90. Artigos em periódicos: A Função Criadora da Interpretação no Juízo Penal, in Revista do Tribunal de Justiça de Alagoas, 1999, v. 14, p. 305-311; Ubi Societas Ibi Jus?: O Direito e as Sociedades Primitivas, in Revista de Estudos Sócio-Jurídicos da SEUNE, 2006, v. 2, p. 15-62.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

AIRES, Joaquim Emilio  

( ? AL - Cidade do Príncipe Imperial- CE 25/02/1850 ). Deputado provincial, jornalista. Chamou-se, em certo período, Joaquim Inácio Wanderley. Depois de atravessar PE, PB e RN, chegou a Aracati (CE) onde fundou e redigiu O Clarim da Liberdade, em 1831. Aliou-se em política à família Castro, mas logo se desavindo, aliou-se aos Caminha, com os quais também veio a romper. Exercia as profissões de advogado e médico. Acusado pelos adversários de exercer ilegalmente a Medicina, foi à Bahia, onde obteve carta de cirurgião. De volta, retorna à política, desempenhando os cargos de suplente de juiz municipal e de juiz de paz. Nessa última qualidade, obrigava rapazes sem ocupação a aprender um ofício. Foi deputado provincial pelo partido Conservador, pelo Ceará.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

7 . 8 . 9 . 10 . 11 . 12 . 13 . 14 . 15