A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z

 

SANTA FILOMENA  

Comunidade quilombolaem Palestina. Certificada em 19/11/2009. Possui 40 famílias. Catalogado pelo Mapeamento Cultural, SECULT-AL.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

SANTA FÉ  

Lagoa. Às margens do rio São Francisco, entre aquelas formadas pelo processo erosivo do rio ou de seus depósitos nos terraços marginais. Localiza-se após São Brás.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

SANTA LUZIA  

Lagoa. Interna, de água salobra. IFL cita, mas não a localiza.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

SANTA LUZIA DE SIRACUSA  

Nome pelo qual também foi conhecida a paróquia de Santa Luzia do Norte .


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

SANTA LUZIA DO NORTE  

Município, -Um dos núcleos mais antigos do povoamento do território, assente em lugar elevado, junto a uma pequena baía formada pela margem ocidental da Lagoa do Norte. Diz-se que Jerônimo de Albuquerque foi quem primeiro pisou a terra deste município, quando da guerra de extermínio aos Caetés. Segundo Gabriel Soares, referido por Melo Morais, um cego, estabelecendo-se aí nos princípios do século XVII, recobrou a visão. O milagre, obtido por intermédio da Santa, emprestou o seu nome à localidade - Santa Luzia de Siracusa - que logo depois tomou o de Santa Luzia do Norte. Conta-se também que teve o nome de Outeiro de São Bento, por ter aí havido um convento de beneditinos. Em 1610, Diogo Gonçalves Vieira, filho de Miguel Gonçalves Vieira, a quem Jorge de Albuquerque Coelho doara cinco léguas da costa, de Santo Antonio Mirim para o sul, e oito para o sertão, tirava dessa posse, uma légua em quadro, na ribeira do Mundaú na Lagoa do Norte, para Antônio Martins Ribeiro, aí morador e possuidor de casas, sob a condição de levantar um engenho de açúcar e fazer vila. (Revista IHGAL, n. 1 . p. 25, encontra-se o translado da escritura de doação). Em 1611, era significante o núcleo da população, pois no mapa da razão do Estado acha-se a Lagoa do Norte designada como vila. O vilarejo tomou rápido incremento, dada a riqueza daquele vale e a facilidade de transporte lacustre. Nesse período chegou a ser o mais importante povoado das margens da lagoa do Norte e do rio Mundaú. No ano de 1633, durante as guerras holandesas, os invasores, após incendiarem a cidade de Alagoas, marcharam contra Santa Luzia do Norte, onde encontraram resistência por parte dos comandados de Antônio Lopes Filgueiras. A cidade foi liberta e pouco sofreu no seu conjunto, tendo Antônio Lopes Filgueiras falecido em combate. Entreposto do comércio do algodão, do açúcar, madeira e outros produtos que das regiões do interior, banhadas pelos vales do Paraíba, Satuba e Mundaú, encaminhavam-se para o mercado de Maceió, teve largo desenvolvimento comercial, e importantes casas de negócio ali estabelecidas prosperaram. Tendo gozado de considerável importância comercial, dela foi decaindo aos poucos, à medida que a nascente povoação do Pilar, situada na extremidade N. da lagoa do Sul, se lhe avantajava em progresso, até tornar-se uma povoação decadente, não obstante ser seu território fértil e abundante no qual se encontravam muitos engenhos e propriedades agrícolas. A elevação à categoria de vila deu-se pelo Decreto de 10/12/1830; a criação do município em 23/08/1962 pela Lei 02. 446, sendo instalado em 15/12/1962. No século XIX, e em direção a União dos Palmares, não passava em Santa Luzia o que fez com que ela fosse decaindo em importância. E em vista do desenvolvimento que vinha tendo Rio Largo, dada a sua localização à margem daquela estrada de ferro e sua menor distância da capital, para aí foi transferida, em 1915, pela Lei 696, de 13 de julho, a sede do município, passando, ainda, Rio Largo à categoria de cidade, e Santa Luzia a depender do novo município.- Ignora-se a data em que foi criada a freguesia. -É provável que o fosse pelos fins do século XVI, pois relatam documentos que em 1654 já possuía vigário. Sabe-se, ainda, que, em 1792, reuniram-se os homens bons da terra para impetrar da Câmara da vila de Santa Maria Magdalena da Alagoa do Sul a concessão dos subsídios sobre pipas de vinho e aguardente, a bem das obras da matriz, que parece terem sido concluídas nos princípios do século XVII, porque na parede da frente da igreja, entre as duas janelas laterais ao coro, foi inscrito o ano - 1705 - inscrição que o tempo e os novos caiamentos destruíram-. Inicialmente, fez parte da comarca de Alagoas, até que, pela Res. n. 220, de 9 de julho de 1853, passou a pertencer à comarca de Maceió, da qual foi desmembrada e reunida à do Pilar pela Lei n. 624 , de 16 de março de 1872. Em 1900, a Lei n.º. 282, de 18 de junho, criou o município judiciário de Santa Luzia. Em 1931 teve em sua jurisdição o termo de Murici, perdendo-o em 1934, quando foi restaurada a comarca de Murici. Desmembrado de Satuba. Está na microrregião de Maceió e na mesorregião do Leste Alagoano. Base econômica: agricultura e pesca. -Os habitantes das proximidades da lagoa empregam-se habitualmente na indústria da pesca e extração de mariscos, de que são abundantíssimos não só o leito da lagoa, como também os mangues que lhe ficam à margem.- Como monumento arquitetônico destaca-se a Matriz de Santa Luzia do Norte. -A porta traz a data de 1786 e apresenta fachada colonial. A torre sineira externa está colocada à altura do arco que separa a nave do altar-mor. O interior encontra-se, em parte, descaracterizado, pois o altar-mor primitivo foi substituído por outro de alvenaria. O altar colateral esquerdo, exemplar autêntico dos finais do século XVIII, é rococó, com talha repintada. Da mesma época é o púlpito com taça em pedra e tambor em madeira trabalhada. Destacam-se, ainda, no interior, mesmo incompletas, sanefas e a imaginária, uma das mais ricas do Estado. A padroeira, Santa Luzia, do final do séc. XVIII, mede 1,10m.- Nortense


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

SANTA MARIA  

Rio. Um dos principais afluentes do Rio Jiquiá, segundo o Convênio SEMA/SUDENE/Governo do Estado.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

SANTA MARIA MAGDALENA DA LAGOA DO SUL  

Um dos nomes primitivos da cidade de MARECHAL DEODORO.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

SANTA RITA  

Ilha na lagoa Manguaba.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

SANTA RITA cujo nome integral é ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA SANTA RITA  

 Fundado em 27/05/1974, em Boca da Mata, onde possui o Estádio Olival Elias de Morais. Conquistou cinco títulos na 2ª divisão nos anos de 1995; 1997; 2007; 2009 e 2013. Em 2013 fundiu com o Corinthias Alagoano, passando a integrar a primeira divisão.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

SANTA RITA, Eduardo da  

(Penedo - AL 27/03/1904 - Maceió - AL 26/08/1987). Escritor, advogado, magistrado. Filho de Manoel Santa Rita e Lidia Cravo Santa Rita. Formou-se em Direito na Universidade do Catete-RJ. Foi Promotor de Justiça em Triapu e Santana do Ipanema. Foi Juiz em São Luiz do Quitunde, Traipú, Penedo, Maceió. Aposentou-se como Desembargador. Obra: Artigo em periódico: Assistência aos Miseráveis, in Revista Letras Jurídicas, Maceió,?, 1967, Ano 5, n. 11, Abril, p. 19-20; Auto Confiança e Seus Efeitos, in Revista Letras Jurídicas, Maceió,?, 1968, Ano 6, n.13, Agosto, p. 42-44.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

5 . 6 . 7 . 8 . 9 . 10 . 11 . 12 . 13