A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z

 

GATO, Ismar Malta  

 (São Bento de Sapucaí - SP 23/09/1933). Médico, professor, pianista. Filho de Osório Calheiros Gato e . Formado pela Faculdade de Medicina de Alagoas (1958). Estágios especializados na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (1962) no Laboratório da Secção de Microscopia Eletrônica do Jardim Botânico, no Rio de Janeiro (1966) no Laboratório da Cátedra de Histologia e Embriologia da Faculdade de Medicina da UFRJ (1966) no Serviço de Patologia e Núcleo de Combate ao Câncer da Santa Casa de Misericórdia de Maceió (1955-62 e 1960-64, respectivamente) no Projeto Hope (1963) na Fundação do Hospital da Agroindústria de Alagoas (1957-59) na Secretaria de Saúde (1959-60) e no Departamento de Morfologia da Faculdade de Medicina da Nort-Western University, Chicago (E.U.A.). Cursos de Extensão: em Nutrição, no Departamento de Biologia da Faculdade de Medicina de Alagoas (1964) Técnica de Ensino, promovido pelo Ministério da Marinha (1967) Atualização em Histologia Dental, realizado na Faculdade de Odontologia da UFAL (1971) Bioquímica Celular e Citologia Histoquímica, ambos no Instituto de Ciências Biológicas (1972) Biologia do Tecido Conjuntivo e Métodos Biológicos Aplicados à Pesquisa em Laboratório, ambos pela Faculdade de Medicina de Campina Grande (1972). Professor de Histologia e Embriologia da Faculdade de Medicina de Alagoas. Professor titular da mesma matéria no Departamento de Morfologia do Instituto de Ciências Biológicas da UFAL. Professor de Histologia e Embriologia da Escola de Ciências Médicas do Estado de Alagoas, desde sua fundação em 1969, e onde chefiou, de 1969 a 1983 o Departamento de Morfologia. Sócio efetivo da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas; membro efetivo da Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia; da Academia Alagoana de Medicina, onde ocupa a cadeira nº 14; membro emérito da AAL; membro da SOBRAMES-AL; da Academia Alagoana de Cultura. Membro, ainda, da Sociedade para Aperfeiçoamento da Histologia no Nordeste. Membro do Conselho de Administração da Rádio Difusora (1977-79). Membro do Conselho Estadual de Cultura, por duas gestões; e presidente do Conselho Estadual de Cultura e Patrimônio Artístico e Natural de Alagoas. Membro do IHGAL, empossado em 27/03/1985, na cadeira 51, da qual Francisco Calheiros da Graça é patrono. Fundador e presidente das Juventudes Musicais Brasileiras de Alagoas (1952-57) e presidente da Sociedade de Cultura Artística de Alagoas (1962-82), Proprietário do Laboratório de Patologia Clínica de Maceió, desde 1961. Obra: Artigo em periódico: Dinâmica de Grupo - Uma Experiência em Andamento na Histologia, juntamente com Walter Tenório das Neves, in Boletim Informativo do Instituto de Ciências Biológicas da UFAL.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

GATO, Marisa  

(Maceió - AL 10/08/1934). Pintora. Filha de Carlos da Silva Nogueira e Edite Brandão Nogueira. Estudou no Colégio Sacramento e fez curso de pintura no ateliê de Pierre Chalita. Obra: Nuvens, Brasília: Ceclira Livros e Arte, 1990. Participou, além de outras exposições, do IV Salão Alagoano do Livro e da Arte, realizado, de 18 a 26/10/2003, no Armazém Dom José, em Jaraguá.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

GATTO, Deivdson Brito  

(Maceió - AL 11/04/1980). Economista, professor. Filho de José Carlos Gatto e Rozinei Melo Brito. Estudou até a 8ª. série no Colégio Sagrada Família (1994) e o segundo grau concluiu no Colégio Albert Einstein (1997). Graduado em Ciências Econômicas - UFAL (2004? - 2005). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (2010) também pela UFAL. Extensão Universitária em Curso Regular de Língua Inglesa, UFAL, (2002-2006). Tutoria On-line, SENAC, 2008. Desde 2004 é funcionário da Secretaria Municipal de Saúde de Maceió, onde participou do Curso Nacional de Qualificação de Gestores do SUS promovido pela ENSP/Fiocruz. Professor do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PET Vigilância da Saúde, do Ministério da Saúde. Professor do curso de Administração a Distância da UFAL e no curso de Administração Pública a distância do IFAL. Professor, também, do curso de especialização em Ecologia, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do CESMAC, lecionando a disciplina Economia e Meio Ambiente. Obra: Ambiente Institucional e Sustentabilidade da Cadeia Produtiva de Biodiesel em Alagoas, Maceió: EDUFAL, 2011, prefácio de André Maia Gomes Lages.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

GATTO, Osório Calheiros  

(Maceió - AL 21/01/1895 - 06? ou 07/07/1959). Secretário de estado, advogado, professor. Filho de João Calheiros Gatto e Joventina da Silva Gatto. Formou-se em Direito pela Faculdade de Direito do Recife (1919). Doutor em Direito pela Faculdade de Direito de Alagoas (1946), com a tese: Menores Infelizes. Foi promotor de Justiça em Santana do Ipanema (1920), União dos Palmares (1923-28). Juiz de Direito na 2ª Vara da Capital (1928-30 e 1937-56). Nomeado Juiz de Direito da Comarca de São Bento do Sapucaí-SP, tomando posse em 10/02/1931. Promovido a Desembargador do TJ-AL. Juiz de Direito do TRE-AL (1945-50). Juiz Eleitoral da 1ª Zona (1950-55). Presidente da Comissão do Conselho Penitenciário de Alagoas (1950-52). Secretário do Interior no Governo Álvaro Paes. Professor de Direito Penal na Faculdade de Direito de Alagoas (1939). Membro do IAGA, empossado em 12/10/ 1928, e do qual foi o 8º presidente (1953-1958). Posteriormente, patrono da cadeira 3. Foi Provedor da Santa Casa de Misericórdia de Maceió, (1957-59), falecendo no exercício do cargo. Obras: Barão do Rio Branco, conferência pronunciada no Instituto Histórico de Alagoas, na sessão comemorativa do centenário do nascimento do Chanceler Brasileiro, Maceió, Departamento Estadual de Informações, 1945; Anteprojeto da Constituição de Alagoas, participação de H. B. de Araújo Soares/Osório Calheiros Gato/ Mario Marroquim/ Francisco José da Silva Porto Júnior/Marcial de Alencar Barreto Coelho e Cyridião Durval e Silva, Maceió: Imprensa Oficial, 1947; Discurso do Dr. Osório Calheiros ao Ser Recebido Como Sócio Efetivo do Instituto, Revista do IAGA, vl. 15. ano 58, 1931, Maceió: Livraria Machado, p. 25-37; Discurso em Homenagem à Memória do Dr. José Antônio Duarte, Revista do IAGA, v. 15. ano 58, 1931, Maceió: Livraria Machado, p. 60-69; Barão do Rio Branco, Conferência pronunciada em nome do Instituto Histórico na sessão comemorativa do centenário de nascimento do eminente chanceler brasileiro, Revista do IAGA, v.24, Ano 1945-1946, Maceió: Imprensa Oficial, 1947, p. 97-109; 3º Centenário da Batalha dos Guararapes, Conferência proferida pelo Dr. Osório C. Gato, representante do Estado de Alagoas, nas comemorações levadas a efeito no Recife, Revista do IHGAL, número 26, Ano 1948-1950, Maceió: 1952, p. 176-189; Menores Infelizes, Maceió: 1946 ( tese de concurso para a cadeira de Direito Penal da Faculdade de Direito de Alagoas).


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

GAUDIO FILMES  

Empresa liderada por Guilherme Rogato tinha como meta o desenvolvimento da cinematografia alagoana. Um dos filmes que produziu foi Casamento é Negócio?, segundo Elinaldo Barros, na 2ª. edição de Panorama do Cinema Alagoano.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

GAVIÃO  

Serra. Segundo IFL, parte do Pediplano Sertanejo.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

GAVIÃO, Elias Luis da Silva  

(Palmeira dos Índios - AL 1926). Pintor. Trabalhou na roça até os vinte anos, quando se mudou para São Paulo. Inicialmente, ajudante de pedreiro, tornou-se, mais tarde, ajudante de pintor. Pintando paredes, interessou-se pelas telas. Cursou a Escola de Desenho e Tecnologia de São Paulo (1952) e o Instituto Oberg. (1955). Descoberto em 1960, pintando paisagens nos subúrbios de São Paulo em suas horas de folga. Colaborou com a desenhista Leila Costa Neto na confecção dos murais do Instituto Central do Câncer, em São Paulo (1965). Estudou História da Arte com Gilda Seráfico (1967-68). Individualmente expôs em São Paulo, na Galeria Seta (1966), na Galeria de Arte da Folha de São Paulo (1967) no Salão de Formatura do Instituto Central do Câncer (1967) na Galeria Coreto, em Campinas, SP (1969) na Galeria de Arte do Auditório Itália, São Paulo (1969) na Galeria de Arte do Centro do Serviço Social do Comércio, Santos (1969) na Galeria da KLM, São Paulo (1970) e na Mini-Galeria USIS (Serviço de Divulgação e Relações Culturais dos Estados Unidos da América, São Paulo (1971). Coletivamente, expôs no Salão de Formatura do Instituto Nacional do Câncer (1966) na Folha de São Paulo (1969) no Centro Israelita de Assistência ao Menor (Departamento Cultural A Hebraica), São Paulo (1969) Clube Paratodos, São Paulo (1969) Clube Atlético Paulistano, São Paulo, (1970 ) Salão Oficial de Santo André (1970) Salão Oficial de Atibaia (1970) Salão Oficial de Mogi das Cruzes (1970) Feira de Arte da Associação Internacional de Artes Plásticas (1970) Clube Pueblo, Madrid (1970 ) Cassino Estoril, Portugal (1970) Milão, Roma e Paris, todas em 1970. Toda a sua pintura é dominada pela temática infantil, evocando as brincadeiras de sua infância no Nordeste.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

GAZETA DA TARDE  

Jornal. Em 08/08/1913 aparece, em Maceió, jornal vespertino "político, noticioso e literário". Álvaro Cerqueira era seu diretor-gerente.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

GAZETA DE ALAGOAS  

Jornal "Órgão do Partido Constitucional", surge em Maceió, em 28/01/1892. Publicado diariamente. Redação: Manoel de Araújo Góes, Afonso José de Mendonça, Bernardino de Sena Ribeiro, Luiz Mesquita, Joaquim Guedes Corrêa Godin e Antonio Eustáquio de Oliveira e Silva. Tipografia própria.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

GAZETA DE ALAGOAS, A  

Jornal. Fundado em 25/02/1934, por Luis Silveira, em sua fase inicial era publicado em offset e, depois, em linotipo. Em 08/10/1948 iniciou a publicação de uma Página Literária, sob a direção de Sílvio de Macedo e Carlos Moliterno, que, por motivos políticos, não teve muita duração nessa fase, tendo sido, no final de dezembro de 1949, o seu último número. Foi adquirida em 1952 pela Organização Arnon de Mello. Em 11/01/1953, agora sob a direção somente de Carlos Moliterno, torna a publicar um suplemento literário intitulado Letras e Artes. Em junho de 1973, ao estampar pela primeira vez radiofotos e telefotos, o jornal introduz a inovação no Estado. O seu telex foi introduzido no início de 1975, em convênio com as agências de notícias UPI e AIB. Foi, ainda, o primeiro jornal, entre os particulares, a ser impresso em cores e em off-set, como também a ser acessado pela Internet e com todos os seus departamento informatizados. Em 2015 continua em circulação.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

4 . 5 . 6 . 7 . 8 . 9 . 10 . 11 . 12